quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

As histórias sobre o Natal e o Réveillon.

      E véspera de natal e minhas caixas de e-mail ficaram repletas de mensagens desejando coisas maravilhosas, lógico que houve também spams e pregações convidando-me para seguir certas religiões. Não posso citar de um slide em especial intitulado “Meu aniversário” era como se fosse o próprio Cristo me escrevendo, apesar de sabermos que a data não foi o nascimento do grande Arquiteto do Universo.

       Mais como realmente surgiu o Natal? Lembro de certa vez de realizado uma pesquisa a fim de sanar as dúvidas da classe de uma denominação evangélica que fiz parte. Junto com estas informações busquei rapidamente pelo Google alguns textos, misturei de tudo um pouco e saiu este texto com informações históricas.

     A comemoração desta data no final de dezembro vem bem antes do nascimento do pequeno Messias, aproximadamente a nove mil anos atrás. O intuito no hemisfério norte era celebrava a mais longa noite do ano logo depois o sol ficaria mais tempo, pois iniciaria se o verão. Os gregos aproveitavam o mesmo período para cultuar Dionísio, o deus do vinho e da vida mansa, enquanto os egípcios relembravam a passagem do deus Osíris para o mundo dos mortos. Os Chineses homenageavam o símbolo do yin-yang, que representa a harmonia da natureza.

    A comemoração chegou à Europa por volta do século 4 a.C., quando Alexandre, o Grande, conquistou o Oriente Médio. Soldados romanos exportaram a mesma parar o coração do Império Romano.

    O Festival do Sol Invicto fora criado exclusivamente para o deus Mitra, Esse evento encerava na Saturnália, dedicada ao solstício que durava uma semana e servia para homenagear Saturno, senhor da agricultura. Enquanto os sacrifícios eram entregue ao deus. Dentro de casa, todos comiam e trocavam presentes. O Sol tem sua representação no deus greco-romano Apolo, em outras culturas recebe outros nomes; no Egito, Ra, na Babilônia, Utudos, na Índia, Surya, Baal e Mitra.
 
    O Imperador de Roma Aureliano estabeleceu no ano de 273 d.C., o dia do nascimento do Sol em 25 de dezembro “Natalis Solis Invcti”, que significava o nascimento do Sol invencível. Todo O Império passou a comemorar neste dia o nascimento de Mitra-Menino, Deus Indo-Persa da Luz, que também foi visitado por magos que lhe ofertaram mirra, incenso e ouro.

    No Antigo Egito, sempre existiu a crença de que o filho de Ísis nasceu precisamente em 25 de dezembro. A deusa Ísis algumas vezes é “Mãe”, outras vezes é “Virgem” que é fecundada de maneira sobrenatural e engravida do “Deus Filho”.

     Tal culto à “Virgem” é encontrado entre os Celtas, cuja civilização, os druídas praticavam o culto baseado em um “Deus Único”, “Una Trindade”, a ressurreição, a imortalidade da alma e uma divindade feminina.

     Durante anos esta festividade fez parte da cultura destes povos, e não seria fácil excluir a mesma com a “nova doutrina” como religião oficial de Roma no Decreto de Constantino, imperador Romano e antigo adorador do Sol, transformaram a festa dos deuses na comemoração do nascimento de Jesus Cristo. Assim como foi feito com o Candomblé no Brasil, foi realizado um sincretismo, rituais, crenças, costumes e mitos passam a ser patrimônio do Cristianismo, convertendo deuses locais em santos, virgens em anjos e transformando santuários em Igrejas.

    Mitra era o mediador entre Deus e os homens. Assegurava salvação mediante sacrifício. Seu culto compreendia batismo, comunhão e sacerdotes. A Igreja Católica Romana, simplesmente “paganizou” Jesus que substituiu Mitra, o “Filho do Sol”, constituindo assim um “Mito” solar equivalente, circundado por 12 Apóstolos ou doze constelações. Complementando as analogias astronômicas: a estrela de Belém seria a conjunção de Júpiter com Saturno na constelação do ano 7 a.C, com aparência de uma grande estrela.

    Assim podemos concluir que a data nada tem haver com o nascimento de Jesus Cristo, correto? Mais então, Em que dia nasceu Jesus? Não sei dizer a bíblia não fala claramente, a informação que chega mais próximo e que ele nasceu na festa dos “Tabernáculos”. Segundo o nosso calendário gregoriano seria provavelmente no mês de setembro.

    Você pode esta perguntando; Esta e a história da data do natal, mais e os símbolos? Quase são suas histórias e significados? Vamos por partes, a começar pelo presépio.

     O primeiro presépio foi feito de argila no ano de 1223 na Itália, sua construção tinha o objetivo de explicar as pessoas mais simples o significado do nascimento de Jesus. Ao artista que esculpiu foi ninguém menos que São Francisco de Assis.

    Segundo informações não comprovadas a montagem de árvore de Natal teve início no ano de 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite ao avistar os pinheiros cobertos de neves na floresta e o céu estrelado, Lutero ficou fascinado e tentou reproduzir com galhos de árvore, algodão, velas e outros ornamentos.

    As árvores de Natal também simbolizam a vida, pois em dezembro no hemisfério norte, ocorre o inverno e as árvores perdem as folhas. Uma árvore frondosa e cheia de enfeites simboliza a vida. De acordo com a tradição católica, a árvore de Natal deve ser montada a partir do dia 30 de novembro, que é o começo do período do advento. E deve ser desmontada em 6 de janeiro, Dia de Reis. Não sei se por coincidência mais esta era a data da aparição de Osíris entre os egípcios e de Dionísio entre os gregos.

    Mais afinal de contas, existe “Papai Noel”? Segundo grandes estudiosos sua história foi inspirada na vida de um bispo chamado Nicolau que nasceu na Turquia em 280 d.c e faleceu no dia 6 de Dezembro de 342. Dizem que no local onde foi sepultado surgiu uma nascente de água.

    Herdou uma grande fortuna dos seus pais e costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas. São Nicolau foi relacionado ao natal pela primeira vez na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil de Papai Noel e em Portugal de Pai Natal.

    Papai Noel foi pintado por vários artistas de formas variadas, entre elas; “elfo”, “duende” e “gnomo”. Até o final do século XIX, sua roupa de inverno era representada na cor marrom ou verde escura. Em 1931 o cartunista alemão Thomas Nast criou as roupas nas cores vermelha e branca, com o cinto preto.

    Neste mesmo ano a “The Coca-Cola Company” que utilizava as mesmas cores na sua marca, contrata um artista e transforma Papai Noel numa figura totalmente humana e universalizada. Sua imagem foi definitivamente adotada como o principal símbolo do Natal.

A História do Réveillon

      As primeiras comemorações tiveram início há cerca de 2 mil anos antes da era cristã, quando os antigos babilônios festejavam o recomeço do ciclo anual, coincidindo com o início da primavera no hemisfério norte e a plantação de novas safras.

     Foram os romanos que em 1582 que começaram a comemorar no dia 1° de janeiro. Os gregos utilizavam um bebê como símbolo do Ano Novo, desfilando com ele em homenagem a Dionísius, o deus do vinho. O ritual representava o espírito da fertilidade pelo renascimento anual desse deus. Foi só em 1885, na França, que se criou a palavra hoje popularizada “Réveillon”.

    Mais importante de conhecer a história são as conseqüências, as crenças religiosos foram profanadas. A figura de Papai Noel que antes era utilizada para alimentar a capacidade de criação, através da fantasia das crianças foi banalizado. O nome de Cristo passou a ser “caftinizado” em uma espécie de monopólio religioso. E ate o réveillon, passou a ser um show para turistas.